Carlos Morais

 
 

Coerência e contradições

Vivemos uma crise de valores, onde a palavra dada, a palavra escrita e a palavra cumprida nem sempre coincidem, o que torna as relações dos sujeitos com as organizações imprevisíveis e cada vez mais complexas. Saliento como exemplos, a crise que se vive no Sporting e a mudança de Governo em Espanha.

Verdade e Justiça

Vivemos uma época em que grande parte das afirmações provenientes das organizações ou das pessoas que lhe estão associadas são provisoriamente verdade, e ao mesmo tempo, tendencialmente falsas, ou seja, a verdade e a falsidade parecem depender dos interesses em causa e do contexto. Não me revejo numa sociedade com estes princípios e admito que a grande maioria dos portugueses também não.

Portugal: Um país onde se possa viver com prazer

Gosto muito de Portugal e aceito que comparado com muitos países do mundo seja possível encontrar múltiplos aspetos que o permitam colocar em primeiro lugar. No entanto, também me parece um exagero acreditar que de um momento para o outro tudo se transformou, e de um país de credibilidade duvidosa tenha passado a um país em que se possa confiar cegamente.

Movimento pelo Interior

Talvez não seja muito consensual dividir o país em dois blocos, um constituído pelo Interior e o outro pelo Litoral. Desde há muitos anos que não é difícil constatar que em Portugal existe uma parte cada vez mais próspera e mais densamente povoada (Litoral) e outra parte cada vez mais desertificada (Interior). Vive-se uma realidade difícil de inverter, no sentido em que o Litoral tem pessoas a mais, tornando as suas vidas cada vez mais complicadas e o Interior tem pessoas a menos, com um número insuficiente para poderem ter garantidas melhores perspetivas de vida.

Educação e Valores na Internet

A educação e a formação devem preparar os jovens para viver e intervir de forma ativa e esclarecida na sociedade. As escolas têm o compromisso social de promover valores éticos entre os seus alunos e entre eles e a sociedade, fazendo com que os alunos se preparem para ser cidadãos livres, democráticos, tolerantes e solidários.

Educação e sucesso dos jovens

Refletir sobre o tema educação é sempre um pequeno contributo que se presta à sociedade, no sentido de se poder ser cada vez melhor. A educação é e será a forma mais complexa, mais credível e mais utilizada para promover a evolução da sociedade e a paz entre as pessoas, entre as organizações e entre os países. Assim, para um início de ano, e enquanto não tivermos outras avaliações, é com muito prazer que enfatizo notícias positivas relativas à educação formal do país, associadas ao sucesso dos jovens. 

Educação e sucesso dos jovens

Refletir sobre o tema educação é sempre um pequeno contributo que se presta à sociedade, no sentido de se poder ser cada vez melhor. A educação é e será a forma mais complexa, mais credível e mais utilizada para promover a evolução da sociedade e a paz entre as pessoas, entre as organizações e entre os países. Assim, para um início de ano, e enquanto não tivermos outras avaliações, é com muito prazer que enfatizo notícias positivas relativas à educação formal do país, associadas ao sucesso dos jovens.

Prevenção dos incêndios: Como fazer?

Falar de uma área que não domino duas vezes seguidas, talvez seja exagerado, mas como conheço o suficiente para me preocupar, não me parece mal defender ideias nas quais acredito, e que admito contribuir para a sua concretização.

Prevenção dos fogos: Da parte para o todo

Começo por considerar que todos os esforços feitos a nível mundial, europeu, nacional ou local para diminuir os fogos e as suas consequências são bem-vindos. Estimo muito e tenho o maior apreço pelas opiniões dos especialistas dos mais diversos sectores e atividades, em particular dos que desempenham a sua atividade associada à floresta. Também acredito que as opiniões das pessoas que não são especialistas, nem na prevenção dos fogos nem no seu combate, podem ter opiniões válidas neste domínio.

Matematicamente pensando: Acesso à informação do Orçamento do Estado

Vivemos em plena fase de construção e aprovação do Orçamento do Estado para 2017. Um documento do maior interesse e que pode influenciar bastante a vida individual e coletiva dos portugueses. Não vou centrar esta reflexão nas opções tomadas pelo Governo, antes refletir na necessidade da informação constante na proposta de Orçamento ser consultada e entendida pelo maior número de portugueses, no sentido de se criar massa crítica que possa assumir posições pensadas, consistentes e coerentes sobre as opções tomadas pelo Governo.