Edite Estrela

DOIS ANOS DEPOIS, PORTUGAL MELHOR

Escrevo no dia em que o XXI governo faz dois anos. Foi no dia 26 de novembro de 2015 que o executivo liderado por António Costa tomou posse, depois de ter obtido o apoio da maioria parlamentar de esquerda saída das eleições de 4 de outubro.

MAPA COR-DE-ROSA

 
Este mapa cor-de-rosa é coisa nova e nada tem a ver com as pretensões hegemónicas de Portugal em África. Refere-se à atualidade política e foi motivado pela capa do Mensageiro de Bragança de 5 de outubro que, sob o título “Viragem à esquerda”, mostrava como a onda rosa alastrou no distrito de Bragança e se sobrepôs à mancha laranja.

SABER ESCOLHER

 
É inevitável falar das eleições autárquicas. No próximo dia 1 de outubro, temos a oportunidade de escolher quem nos há de governar no município e na freguesia. Um direito inalienável, conquistado a pulso e que deve ser exercido e não esquecido. Um dever de cidadania inerente a uma sociedade democrática.

Ser médico

No passado dia 16 de junho, realizou-se em Viana do Castelo a nona edição das “Jornadas nortenhas de diabetologia prática em medicina familiar”. A convite do Prof. Davide Carvalho, presidente da Conferência, participei na sessão de abertura, associando-me à homenagem a minha irmã, a médica Alda Soares, presidente de honra do congresso.

PORQUE O MAL EXISTE

No passado dia 16 de maio, participei num colóquio subordinado ao tema “Desumanidade e Justiça: as experiências médicas durante o período nazi 1933 -1945”. Foi no Museu da Farmácia, em Lisboa, cuja visita recomendo.
Na minha intervenção, sublinhei que nunca é demais relembrar as atrocidades cometidas pelo nazismo. Sobre os judeus, sobre os mais vulneráveis, sobre os que não eram ou não pareciam ser “arianos”.  E que não pode ser esquecido o sofrimento acrescido das mulheres e crianças, pelo facto de, além do mais, serem mulheres e crianças.

A EUROPA DAS PESSOAS

No passado dia 29 de março, a primeira-ministra britânica, em carta dirigida ao presidente do Conselho Europeu, acionou o artigo 50 de Tratado de Lisboa, dando início ao processo de saída do Reino Unido da União Europeia, aprovado pelo referendo de junho de 2016. Data que vai ficar na história da construção europeia como o dia em que começou o Brexit. O dia em que, pela primeira vez, a UE não alarga, mas encolhe. Seguem-se dois anos de complexas negociações. As consequências para o Reino Unido e para a UE são imprevisíveis. Mas nada vai ficar como dantes.

COMPORTAMENTOS NADA EXEMPLARES

 
Há dias, quando nos cruzámos com um grupo de crianças nos Passos Perdidos da Assembleia da República (AR), os visitantes que me acompanhavam interrogaram-se sobre o que pensariam estas e outras crianças do comportamento de alguns deputados que se manifestam ruidosamente nas sessões plenárias, não deixando falar os oradores e batendo nos tampos das mesas. Comportamentos presenciados por quem assiste à sessão nas galerias e observados pelos telespetadores, designadamente, pelos que seguem em direto o canal Parlamento.

OUSAR. TRABALHAR. CONFIAR

Depois do erguer da taça para saudar o novo ano e do desmanchar do presépio, é tempo de renovar energias e enfrentar 2017 com confiança. Há razões objetivas para os portugueses encararem o futuro com um pouco mais de otimismo. É isso, aliás, que os estudos de opinião revelam. Os níveis de confiança e autoestima são agora mais elevados que há um ano. E por que carga de água não havemos de confiar nas nossas capacidades?

Chamem-lhe geringonça

Começaram por apoucar a solução governativa e chamaram-lhe geringonça com sentido pejorativo. Depois, auguraram-lhe pouco tempo de vida. Que não aguentaria seis meses. Muito menos um ano. De certeza, certezinha, não passaria o teste do segundo Orçamento do Estado (OE). Previam divergências insanáveis entre o que o governo podia propor e os parceiros parlamentares podiam aceitar.

COMBATER AS DESIGUALDADES

         Na última década, não obstante a crise ou por causa dela, têm-se acentuado as desigualdades. Em Portugal, as políticas de austeridade expansionista, com cortes cegos na saúde, na escola pública e nos apoios sociais, adotadas pelo anterior governo, geraram novas desigualdades e aprofundaram as já existentes, transformando a sociedade portuguesa numa das mais desiguais da Europa.