Henrique Ferreira

Professor

Água e adubo para o roseiral de Bragança

Enquanto, na Catalunha, no dia 1 de Outubro, 48% dos eleitores desafiaram a autoridade espanhola proclamando o governo catalão que 90% deles votaram pela independência, vamos lá ver com que efeitos, por cá, foi dia de eleições autárquicas.

Uma pomba humana pela paz

 
Com alegria, muito organizados e acompanhados pelos respectivos professores e professoras, no passado dia 21, pelas 11h00, os alunos das várias escolas do Agrupamento de Escolas Emídeo Garcia foram chegando e preenchendo os espaços interiores do desenho que o Professor Trovisco havia feito nas lajes em frente à Sé Catedral de Bragança. Pena que os alunos e alunas dos outros dois agrupamentos de escolas não tivessem feito o mesmo mas não terá havido o mesmo empenho por parte das respectivas direcções e professores.

O silencioso ruído da campanha eleitoral

Pode ser que as máquinas partidárias andem inquietas, mexeriqueiras e metediças mas o cidadão pacato quase não dá por nada. Pode ser que seja porque as pessoas já não liguem à propaganda dos vendedores de ilusões e prefiram ficar em casa a cuidar dos seus problemas e dos seus trapinhos. Que isto, apesar dos Srs. Costa e Centeno dizerem que está a correr bem, o dinheiro não abunda nos bolsos dos contribuintes-cidadãos e eleitores.

Cadernos eleitorais viciados

No próximo dia 1 de Outubro, votaremos para eleger os órgãos autárquicos dos municípios (Câmara e Assembleia) e das freguesias (Assembleia de Freguesia e Presidente de Junta) em que estamos recenseados. O recenseamento eleitoral opera por freguesia e esta faz com que o recenseado pertença ao município de que aquela faz parte. Só os indivíduos recenseados numa freguesia e, por via dela, no município, podem votar.

Tempo de festa e de fogo

Agosto é, entre nós, tempo de família, de reencontros e de festa. Festa em honra dos santos padroeiros e, regra geral, de Nossa Senhora, dedicada a uma das suas facetas (Graças, Assumpção, etc.).

Notas de (des)Agosto

Estamos em Agosto. A Venezuela está a ferro e fogo e a desgraça do comunismo está a chegar.

Memórias de um país que chora mas que ama

Portugal é um país porque constituído por um povo (a Nação) e por um Estado (o conjunto de poderes e organizações políticas e administrativas que orientam e administram ambos, Estado e Nação).

Frei Francolino Gonçalves, um investigador bíblico que prestigia Corujas, Macedo de Cavaleiros

Tenho de falar de Frei Francolino Gonçalves mas não tenho capacidade para, por mim próprio, escrever sobre ele. Podia investigar mas estou sem acesso aos meios e ao Google, onde há muitos elementos sobre este frade. Por isso, reproduzo e cito partes de um texto da autoria de um insigne intelectual da Igreja Católica, Frei Bento Domingues, texto que ele publicou no dia 25 de Junho de 2017, às 06h52, na secção de «Opinião» do Jornal Público.

História e identidade local

A construção das identidades locais, leia-se municipais, alicerça-se no culto e valorização de valores próprios das comunidades e territórios que constituem cada município, podendo partir-se para uma visão regional.

Ser optimista a dois, por todas e por todos

A Nação e o Estado portugueses vivem um período de optimismo.