Editorial

António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2018-02-22 10:28

Quanto vale uma vida?...

Texto

A discussão sobre a legislação da morte assistida não é de agora. Mas com o aproximar do final da atual legislatura, aumenta a pressão política no seio do Governo para que uma lei mais permissiva veja a luz do dia.
Ora, sendo esta uma questão literalmente de vida ou de morte, como adverte o Presidente da Associação Nacional de Cuidados Paliativos na página 23, o mínimo que se exige é que se faça uma discussão séria e madura e uma verdadeira reflexão. O contrário daquilo a que se vem assistindo com a intoxicação permanente da opinião pública e com a radicalização de posições.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2018-02-01 09:54

O peso de uma instituição

Texto

Durante anos, a discussão do momento era a passagem ou não do Instituto Politécnico de Bragança a universidade. A reivindicação atravessou anos e governos e teve em Durão Barroso o seu momento “quase”. A promessa de criar uma universidade em Bragança, feita durante a campanha eleitoral em 2002, rapidamente se transformou em algo como “a criação de ensino universitário” em Bragança depois de ganhas as eleições.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2018-01-25 15:32

Eleições partidárias a pensar já nas eleições legislativas

Texto

A mais de um ano das eleições legislativas, os partidos já vão mexendo o seu xadrez a pensar no que aí vem. E o que aí vem são as eleições legislativas, mais do que as europeias.

No distrito de Bragança, o primeiro a afiar as facas foi o PSD, arrastado pela disputa interna para a liderança, que, por cá, sorriu a Adão Silva, único vice-presidente da bancada parlamentar laranja apoiante de Rui Rio desde a primeira hora.



António Gonçalves Rodrigues // Sex, 2018-01-19 12:01

A banalização da mentira ameaça corroer as nossas instituições

Texto

Tempos houve em que  a mínima suspeita de uma mentira levava à demissão imediata do titular de qualquer cargo público (não necessariamente político).
Mas, nos tempos que correm não só essa prática da ética e da moral caiu em desuso como as mentiras são cada vez mais frequentes e, pior, banalizadas.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-11-23 11:13

O papel dos pequenos na cadeia alimentar

Texto

A natureza habituou-nos a valorizar os maiores e mais fortes. Mas mesmo esses, para sobreviver, precisam dos mais pequenos, de quem se alimentam.
Se isso vale para a vida animal, vale para o resto.
Na Comunicação Social, muitas vezes é nas histórias trazidas à estampa pelos mais pequenos que os maiores vão buscar o seu alimento. É só olhar para os jornais diários todos os dias, ouvir as notícias nas rádios pela manhã e observar os telejornais da hora de almoço nas televisões. O fenómeno é diário.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-11-23 11:07

Porque é que Maquiavel é para aqui chamado?

Texto

Já passou quase um mês desde as eleições autárquicas e os combates que então se travaram vão ficando para trás. A emoção, que muitas vezes tolda o raciocínio e condiciona as jogadas no tabuleiro do xadrez político (e provoca o erro), vai ficando aplacada e dando lugar ao pragmatismo e ao calculismo tático.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-10-12 10:14

Águas passadas, equilíbrios futuros

Texto

Em período de seca, o distrito de Bragança promete entrar em ebulição nos próximos tempos, pelo menos no que a alguma política diz respeito. Será tempo de escolher titulares para uma série de cargos que representem a população que elegeu os autarcas. A Comunidade Intermunicipal será o grande tabuleiro de xadrez onde se vão cultivar alianças e dirimir argumentos (ameaças?). O PS está em clara vantagem, com sete das nove autarquias que compõe esta CIM (Freixo, Moncorvo e Carrazeda integram a CIM Douro).



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-08-31 11:49

Incendiários, o rapaz e o lobo

Texto

Este é um período especialmente crítico e propenso a grandes incêndios. Felizmente já não tanto na floresta mas na política, com o aproximar da campanha eleitoral para as autárquicas.
Para trás fica um agosto especialmente quente, em que vários partidos sentiram dificuldades em formar listas em algumas freguesias de vários concelhos.
Normal.
O que já não é tão normal é o facto de levianamente se invocar como justificação as “pressões” de quem está no poder. Não que elas não possam ter existido. Mas, a existirem, de facto, é caso de polícia e de tribunais.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-04-27 10:14

Competitividade e os embrulhos

Texto

Na 2ª Edição do Estudo Nacional de Competitividade Regional, recentemente lançada pela Zaask, em empresa de consultoria, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, e que contou com a colaboração de 1321 empresários portugueses, Bragança foi considerado, em 2016, simultaneamente, o distrito com melhor a situação económica, segundo os empresários, e onde é mais aconselhável abrir um negócio. De acordo com o mesmo estudo, o distrito está, ainda, no topo da lista no que respeita à situação financeira das empresas.



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-04-20 09:50

Liberdade?

Texto

“Liberdade onde vais?
Liberdade onde cais?”



António Gonçalves Rodrigues // Qui, 2017-04-13 10:42

Quanto valem os valores

Texto

Longe da vista, longe do coração. Parece ser essa a máxima que preside às viagens de finalistas, que teimam em não sair das notícias dos jornais (até por falta de outros motivos de interesse, abundantes noutros anos por esta altura).
Os pais sabem que estas viagens não são propriamente momentos de introspeção e oração. Mas a distância de muitos quilómetros parece aplacar consciências.



António Gonçalves Rodrigues // Sex, 2017-04-07 10:09

Factos e pós-factos

Texto

Há vários anos que a Comunicação Social vive mergulhada numa crise profunda. O que começou em fartura, com a proliferação nos anos 90 de cursos superiores de jornalismo que começaram a despejar no mercado de trabalho mão d’obra às centenas, nem sempre bem preparada.
Os meios de comunicação existentes não foram capazes de absorver a quantidade de novos jornalistas que se faziam à vida e que, face à escassez de oportunidades, foram abrindo portas a precariedade e ao esvaziamento da memória das redações.