Torre de Moncorvo

Colóquio evoca memória do antigo antigo ministro Francisco António Correia

Publicado por Redação em Qui, 2018-10-04 09:53

A biblioteca municipal de Torre de Moncorvo recebe nos dias 5 e 6 de outubro um colóquio sobre Francisco António Correia.

Francisco José Correia nasceu na Foz do Sabor, freguesia de Cabeça Boa, concelho de Torre de Moncorvo, em 1877 e faleceu em Lisboa, em 1938. Ao longo da sua carreira destacou-se como professor, historiador, político, economista e diplomata.

A sessão de abertura do colóquio, que decorre às 14h30 do dia 5 de outubro, conta com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo e do Professor Adriano Vasco Rodrigues seguindo-se um período de 5 comunicações. Tem ainda lugar a apresentação do livro “Grande Guerra (1914-1918) – Os Combatentes de Torre de Moncorvo” da autoria de Adília Fernandes e Carlos Branco. A obra será apresentada pelo Almirante Artur Sarmento. Pelas 21h00, realiza-se no adro da Igreja Matriz de Torre de Moncorvo um concerto com o quarteto de violoncelos Portocello, no âmbito do Festival Oito Mãos, Monumentos com Música Dentro.

No dia 6 de outubro, durante a manhã decorrem mais 3 comunicações todas elas relacionadas com a vida e a obra de Francisco António Correia.

O colóquio conta com a participação de oradores bastante conceituados entres eles Adília Fernandes, Justino Pereira de Magalhães, Carlos Bastien, António José Queiroz, Jorge Pedreira, Aurélio de Oliveira, Teresa Nunes e Norberto Cunha.
 
Francisco António Correia (1877 – 1938) era natural de Torre de Moncorvo e destacou-se como professor, historiador, político, economista e diplomata. Licenciado em comércio pelo antigo Instituto Industrial e Comercial de Lisboa, ingressou na carreira aduaneira, onde atingiu o posto de chefe de Serviços. Dedicou grande parte da sua vida ao magistério superior, tendo sido nomeado diretor do Instituto Superior de Comércio. Em 1920 foi ministro dos negócios estrangeiros e em 1921 ministro das finanças.

Em 1922 fez parte da missão intelectual que acompanhou ao Brasil o Presidente da República, em 1923 foi incumbido das negociações para a realização do "modus vivendi" com a França e em 1927, representou Portugal na Conferência Económica Internacional, na Sociedade das Nações. Foi também vogal da comissão executiva da Conferência da Paz.

Foi louvado várias vezes e possuía, entre outras as seguintes condecorações: comenda da Legião de Honra, grande oficialato de Santiago, grã-cruzes de Cristo, Três Estrelas da Letónia, Santo Olavo da Noruega, da Polónia Restituta, do Mérito Industrial. Nasceu e viveu numa época importante da vida nacional e ele contribuiu de várias maneiras para esse ciclo de desenvolvimento e de progresso.