A opinião de ...

Outro mar azul

Sou levado pelos pés ou pelos pneus do carro quando deambulo, gosto de me procurar nos meandros da História, junto de lugares que me contem acerca dos tempos, de como foram e o que os trouxe até aqui.
No terreiro do Cristo Rei, em Almada, observo a imponência a partir deste morro onde mora a vertigem. O grandioso Tejo, o mais longo rio Ibérico, oferece-se ao mar que o recebe na mais opulenta sala de visitas tendo ao centro um luminoso candeeiro, o Bugio. É mesmo ali que o Sol se põe colorindo as águas de um inesquecível vermelho fogo, chamariz de objetivas enamoradas.
Bem recatado, sentado num murete convidativo, observo o local, estou por aqui despojado de deveres, vim comigo, algumas vezes gosto da minha companhia, a liberdade parece ser isto mesmo. Ali em frente, do lado de Lisboa, os altos do Restelo, Monsanto e Castelo acenam-me, incitam-me à procura, que lhes conte acerca das alturas que dominam. Mais espantoso é saber que me encontro entre duas arribas, famosas entre seus pares, uma virada para as águas do Tejo e a outra para o velho Atlântico. Este solo é todo ele um Fóssil, por inteiro, estou em terras da Paisagem Protegida da Arriba Fóssil da Costa da Caparica que se estende até à Lagoa de Albufeira em Sesimbra. Porque desde há milénios que as águas do Atlântico por aqui não batem, todo este grandioso penhasco é esqueleto inerte e tudo que daqui se enxerga é paisagem Protegida, por Decreto-Lei. O que sei, do que vejo, fácil perceber que o mar andou aqui por cima e, por isso mesmo, o Tejo dormiria noutros poisos, sua cama noturna não poderia ser esta Foz. Deixei o local, fui para casa ler e, mais uma vez, o êxtase dançou comigo surpreendendo-me.
O que hoje é a desembocadura do Tejo, um majestoso Estuário era, há 18Ma um magnânimo Golfo que se espraiava até à Azambuja sendo a Serra da Arrábida uma ilha. Existem vários vestígios em Lisboa dando autenticidade ao seu Fundo de Mar, basta tão só o famoso Areeiro.
Há 17MA o mar oscilou dando origem ao Pré-Tejo, as águas aqueceram o Golfo e os tubarões, barracudas, mastodontes e crocodilos dominaram o meio.
Entre 16,5 e 15Ma a aridez invadiu o território e os rinocerontes corredores pastaram naquelas savanas e estepes.
Há 15Ma volta a subir até Santarém e os Picos de Sintra e Arrábida tornaram-se ilhas deslumbrantes.
O Mar atingiu a cota mais alta há cerca de 11Ma provando os 6 Terraços Marinhos da Arrábida que foi descendo até á cota actual oferecendo-nos esta impressionante massa de água, este fabuloso fim de etapa, este lendário Estuário. Ler o saudoso Professor Doutor João Pais é ir ao nosso encontro, conhecer o tempo que nos deu o que por aqui existe.
A natureza foi-se esculpindo mas a Humanidade parece não gostar da Obra de Arte contribuindo assustadoramente para o acelerar programado do fim da vida na Terra. Resta-nos o Espaço, estrada do Universo para outro útero, Outro Mar Azul…

Edição
3715