Nordeste Transmontano

Alta tensão no seio da CIM após críticas de Hernâni Dias com críticas dos autarcas socialistas à “falta de solidariedade de Bragança”

Publicado por António G. Rodrigues em Qui, 2019-02-28 14:42

Os sete autarcas socialistas da Comunidade Intermunicipal terras de Trás-os-Montes (CIM-TTM) - dos nove que a constituem - acusam o presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, de “falta de solidariedade”, na sequência das declarações proferidas à margem dos 555 anos da cidade brigantina e que o Mensageiro trouxe à estampa na semana passada.
Em causa estava a inclusão de alguns investimentos no documento com as reivindicações da CIM, como a ligação de Macedo de Cavaleiros à Godinha, em Espanha, que Hernâni Dias considerou ser uma forma de “fazer um jeito ao Governo”.
Numa conferência de imprensa realizada segunda-feira, na sede da Federação de Bragança do PS, encabeçada pelo deputado Jorge Gomes e que esteve ladeado de Berta Nunes (Alfândega da Fé), Fernando Barros (Vila Flor), Benjamim Rodrigues (Macedo de Cavaleiros) e Luís Fernandes (Vinhais), que representaram também Artur Nunes (Miranda do Douro), Francisco Guimarães  (Mogadouro) e Júlia Rodrigues (Mirandela), as críticas foram violentas.

Berta Nunes, vice-presidente da CIM (o presidente, Artur Nunes, não pôde estar presente), garantiu que os investimentos vertidos naquele documento “foram aprovados por unanimidade” e lembrou que “Bragança até é o concelho mais beneficiado”.
Sobre a alegação de “ingovernabilidade”, Berta Nunes foi mais cáustica. “Se calhar, é porque não é ele a governar”, disse.

 

(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)