Bragança

“É preciso unir esforços” para enfrentar as doenças que são trazidas pelo envelhecimento

Publicado por António G. Rodrigues em Qui, 2019-04-18 10:18

Unir esforços para combater os malefícios do envelhecimento da população do Nordeste Transmontano foi uma das principais conclusões que saiu da VII Jornada sobre a Família, que versou este ano sobre a Saúde Mental e prevenção, que decorreu em Bragança na passada quinta-feira.
“Algumas das nossas instituições têm mais de 80 por cento dos utentes dementes e continuamos a tratá-los como se nada fosse. Há casas com muito boas práticas mas outras tratam estas pessoas como se fosse mais um. É um dos problemas que é preciso enfrentar e juntos, com a ajuda do Governo e do Poder Local”, frisou o bispo de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, na abertura deste evento da Associação Entre Famílias.
O bispo nordestino considera que “não estamos a olhar com a deriedade, com a inteligência, com a vontade para resolver o problema”.
“A constatação [do problema] está feita. O que podemos fazer para juntos ultrapassarmos mais este desafio? Acredito que seremos capazes mas sozinhos não, juntos sim”, até porque “a Saúde é integral. Mental, física mas também espiritual, pois a espiritualidade também cura”, concluiu o prelado.
Francisco Cordeiro Alves, presidente da Associação Entre Famílias, explicou que “uma vez que é um tema que a sociedade portuguesa está a viver, queremos alertar a comunidade para o aspeto da prevenção”.
“Todos temos meios à nossa disposição de ir evitando a entrada precoce em situações de doença mental. Queremos alertar a comunidade para esta situação.
Como somos uma associação voltada para a realidade da família, há muitas situações dentro da saúde mental que vão acontecendo na família. Nós, que temos contacto com muitas famílias, sabemos que há pessoas que estão a sofrer por algo que não revelam. São situações ocultas e que poderão, até, levar com esta mensagem a alguma possibilidade de ajudar a pessoa que têm em casa”, sublinhou, em declarações ao Mensageiro.
Na sua intervenção inicial, Cordeiro Alves lembrou que “quanto à Saúde Mental e Prevenção, devemos estar atentos a alguns indicadores:
Os resultados do estudo sobre a prevalência de doenças mentais na população adulta portuguesa sugerem que somos o país da Europa com a maior prevalência de doenças mentais na população adulta: em 2016, um em cada cinco portugueses sofreu de uma doença psiquiátrica e quase metade já teve uma destas perturbações durante a vida.
Assim, na previsão do SNS, e apontada nos Programas de Saúde Prioritários - Metas de Saúde 2020, uma das metas do PNSM consiste em “aumentar em 30 por cento o número de ações no âmbito dos programas de promoção da saúde mental e de prevenção das doenças mentais”.
Francisco Cordeiro Alves disse que “de acordo com a Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares (https://www.adeb.pt/), os problemas de saúde mental mais frequentes no nosso país, serão:
A ansiedade, mal-estar psicológico ou stress continuado, depressão, dependência de álcool e outras drogas, perturbações psicóticas, como a esquizofrenia, atraso mental e demências, como é a doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência, que constitui cerca de 50 a 70 por cento de todos os casos demenciais. E aquela Associação destaca a depressão como a doença mental mais frequente, sendo uma causa importante de incapacidade.
Por sua vez, o Relatório Health at a Glance 2018, da OCDE, põe Portugal como o quinto país da União Europeia com mais casos de doenças mentais, sendo os problemas mais comuns a depressão e a ansiedade, e registando que 18,4 por cento da população portuguesa sofre de doença mental, enquanto a média europeia é de 17,3 por cento”, explicou.
Por isso, o mesmo responsável considera que era importante haver “um cuidador específico só para a vertente da saúde mental, o que não foi pensado pelo SNS, mas casos melindrosos precisariam de pessoas preparadas para esse efeito. O cuidador informal é genérico. Mas, para estas situações, precisaria de ter uma formação específica”, destacou.

 

(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)