A opinião de ...

Anticiclone e nevoeiro

O inverno meteorológico chegou e tal como o previsto, com ele, o anticiclone. Por estes dias é habitual acordar com tempo muito cinzento e frio, boa parte da região tem despertado com nevoeiro, que tem persistido em alguns locais e tem impedido as temperaturas de subir um pouco mais durante o dia, trata-se de uma situação clássica de inverno com altas pressões e inversões térmicas, qual a razão para estas condições?
O anticiclone deixa a atmosfera no chamado “pântano barométrico”, ou seja uma grande área na qual não há movimento de massas de ar, notam certamente que praticamente não há vento, não havendo assim mistura entre elas (massas de ar), assim o ar frio (mais pesado) tende a colocar-se junto à superfície, enquanto o ar quente (mais leve) tende a formar uma nova camada por cima do ar frio, condições ideais para a formação de nevoeiros e para o aparecimento da inversão térmica, que se caracteriza pelo facto das temperaturas serem mais baixas nos vales e terras baixas, onde o ar frio se deposita, do que nos pontos de alta montanha como costuma ser habitual, fazendo dos vales dos rios da região autenticas “arcas frigoríficas” nesta altura do ano.
Haverá sincelo? Para já parece pouco provável, pois as temperaturas mínimas estarão próximas dos 0ºC, mas para haver formação de sincelo é necessário que desçam pelo menos aos -2ºC e haja temperaturas negativas durante todo o dia, cenário pouco provável.
Durante praticamente todo o período não se prevê precipitação, pelo que o mês de dezembro será em geral muito seco nas primeiras duas semanas, as temperaturas mínimas irão variar em toda a região entre os 0ºC de Bragança, 1 a 3ºC em Macedo de Cavaleiros, 0 a 1ºC de Vila Flor e Carrazeda de Ansiães e 1 a 2ºC de Vinhais, as máximas irão variar significativamente, dependendo da persistência do nevoeiro, onde o sol conseguir brilhar irão subir, onde houver nevoeiro a maior parte da jornada ficarão “travadas”, mantendo-se frias durante todo o dia.
No largo prazo, os modelos continuam a simular o que já vos havia indicado na semana anterior, a persistência do anticiclone, situação que é normal no nosso inverno mas que seria dispensável durante tão largo período de tempo, o anticiclone tenderá a localizar-se na península ibérica para posteriormente subir em latitude para a Ilhas Britânicas, continuando o bloqueio de depressões atlânticas e favorecendo a entrada de ar polar para o centro e leste da Europa.
Consulte toda a informação atualizada diariamente no Facebook do Meteo Trás-os-Montes e na próxima semana aqui no seu jornal de referência.
Feliz sema

Edição
3708