A opinião de ...

Sede Presidencial

A sede presidencial da igreja de Pombares tem nela gravada uma cruz. Melhor, está envolvida pelo laço da cruz. Uma cruz dourada que assinala a Quem pertence a presidência: Àquele que preside com o coração rasgado donde brota a vida. Sim… a presidência pertence a Cristo. É Ele que preside às comunidades cristãs. É Ele o único e eterno Mediador entre o Pai e a humanidade. Por isso, quando o sacerdote assume o lugar da presidência, fá-lo somente nas vezes de Cristo. Nas celebrações litúrgicas isto é claríssimo. A sede presidencial no espaço litúrgico simboliza assim a função de presidir à assembleia celebrante e de dirigir a oração do povo santo. Ora, aquele que numa comunidade preside à celebração da fé, é o mesmo que preside à caridade e o mesmo que preside à esperança. Preside à caridade no sentido de que pesa sobre ele a responsabilidade de dinamizar a comunidade congregando a diversidade dos dons e criando comunhão. Preside à esperança na medida em que guia um povo que vive na expetativa e que reza na esperança. Na verdade, pode haver instituições ou associações mais ou menos dinâmicas, mas sem esperança não há comunidades cristãs. É agradável recordar Evelpisto (séc. II) que, no decorrer do processo do seu martírio, à questão se acredita em Cristo responde «também eu sou cristão e partilho a mesma esperança». Nesta linha, o responsável por guiar a oração litúrgica numa comunidade é aquele que preside à partilha da esperança. Aliás, nem se pode conceber a oração senão na esperança.
Quem preside na comunidade de Pombares sabe que tem sobre o seu ombro direito uma cruz. E é ela quem lhe explica o exigente ministério da presidência, recordando-lhe que vive entre a dádiva de si mesmo e a esperança, entre o discipulado e o pastoreio. Não pode, portanto, prescindir da consciência que é eternamente discípulo, «se alguém quer ser meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me» (Mt 16, 24), ao mesmo tempo que sendo autenticamente discípulo é, no exercício do sacerdócio ministerial, verdadeiramente pastor. Agarra-se, por isso, à sua cruz, tantas vezes reflexo da vida das pessoas a ele confiadas, como quem se configura com Cristo na dádiva de si. Daí que a presidência tão relacionada com a oferta da Eucaristia faz ecoar no ouvido do sacerdote aquelas palavras um dia escutadas: «recebe a oferenda do povo santo para a apresentares a Deus. Toma consciência do que virás a fazer; imita o que virás a realizar, e conforma a tua vida com o mistério da Cruz do Senhor». É nesta estreita união do que preside e de toda a sua comunidade com o mistério pascal de Cristo que se concretiza desde já a esperança de um mundo renovado.

Edição
3710