José Mário Leite

A FALÁCIA DAS EÓLICAS

A propósito do Orçamento de 2019 e da pretensa redução do custo da eletricidade veio, mais uma vez, à baila, a carga fiscal incluída na fatura mensal dos cidadãos. Do valor total que nos é apresentado para pagamento, 55% são taxas e impostos. Não basta termos o sexto preço mais alto da União Europeia como ainda lhe é adicionada uma carga fiscal que é a segunda mais elevada. Só na rica Dinamarca se pagam mais impostos energéticos que em Portugal. Aqui são quase o triplo do que é exigido aos nossos amigos espanhóis e isso é relevante para o que a seguir vou analisar.


Em nome d’Ela

O Culto Mariano perde-se na noite dos tempos e enraíza-se no mais profundo crer da Fé Católica. Tanto assim que a proteção da Mãe de Jesus é procurada pelos cristãos, desde o primeiro momento da celebração da Boa Nova, anunciada há dois milénios.


O DESPERTAR DOS MÁGICOS

O circo chegou e, enquanto se monta a tenda, já são visíveis os ensaios dos malabaristas, no terreiro, à vista de todos. Os mágicos aparecerão mais tarde já com o espetáculo a correr, embora não seja difícil prever os números em cartaz e, em muitos dos casos, os truques são conhecidos ou expectáveis. A regra é a mesma de sempre: todos os sonhos são possíveis e para todos há, se não a realização quase imediata, uma promessa futura ou uma explicação (quase) óbvia. Muitos dos novos números são, na verdade, velhos e conhecidos – apenas lhe mudaram o nome.


A IMPORTÂNCIA DA VISÃO

Quem, ao fim da Avenida Brasília, ainda em Lisboa, mas já a tocar Algés, caminhar sobre o chão empedrado da Fundação Champalimaud, em direção a sul, apenas vê o céu enquadrado por duas colunas enormes apontando o firmamento, delimitando as margens e convidando à viagem pelo caminho que ali começa. É uma viagem em direção ao desconhecido, como está expresso na inscrição frontal.


A IMPORTÂNCIA DA VISÃO

Quem, ao fim da Avenida Brasília, ainda em Lisboa, mas já a tocar Algés, caminhar sobre o chão empedrado da Fundação Champalimaud, em direção a sul, apenas vê o céu enquadrado por duas colunas enormes apontando o firmamento, delimitando as margens e convidando à viagem pelo caminho que ali começa. É uma viagem em direção ao desconhecido, como está expresso na inscrição frontal.


FOGO! (CAUSAS E ATITUDES)

Os media têm feito eco, ultimamente, de opiniões fundadas e fundamentadas que dão como sendo humana a principal causa dos fogos florestais, em mais de 90% dos casos. Foi isso também que me levou a reler um livrinho da autoria de José Maria Pereira Coutinho, editado em 2009 pela Númena, com o apoio do Ministério da Agricultura e pela Autoridade Florestal Nacional.