José Mário Leite

NOVE E NOVENTA E NOVE

A propósito de atual Conferência de Davos, veio-me à memória uma conversa entre colegas e amigos, pouco antes do Natal, sobre Ética e Economia. Alguém no grupo perguntou a João César das Neves qual a sua opinião sobre a eficácia prática da fixação de preços, ligeiramente abaixo dos números redondos tidos como psicológicos.


MEMÓRIAS DA TABERNA

Há, entre outras, uma forma de, neste inverno frio e citadino, me sentar à lareira e, mesmo com o fogo apagado, as vacas por acomodar e sem os ralhos da vizinha por causa das pitas que debicam o renovo, sentir um calor doce e reconfortante, vindo das cinzas da lareira, ou do canto silencioso de “um rouxinol intemporal, pendurado nos ramos secos dos freixos”...


CARLES O CATALÃO

Os que defendem a independência da Catalunha, poderão ser motivados por uma de duas razões. Por uma convicção e desejo genuíno de libertação da suposta dominação castelhana ou por uma questão económica, como muitos garantem ser o verdadeiro motor do movimento separatista. Se for a segunda é uma motivação menor, pouco digna e de fraca sustentabilidade. Nenhuma região é uma ilha e, nos tempos globais que correm, nenhum progresso pode ser atingido de forma isolada. O fulgurante desenvolvimento da província espanhola e o seu sucesso baseia-se em estruturas cuja mobilidade é cada vez maior.


O BONÉ

Não há forma de nos ausentarmos deste pesadelo gigantesco, comum e colossal, que nos entra casa dentro desde o último fim de semana. Quando ao outono cumpria, como em anos anteriores, prometer castanhas assadas, vinho novo, chuva e frio, este ano, este clima madrasto e outras forças diabólicas que uns clamam serem naturais, outros garantem de origem criminosa, trouxe-nos um cenário dantesco de fogo, destruição e morte. São muitos e dolorosos os testemunhos que a televisão nos mostra diária e continuamente.


SEM QUALQUER RAZÃO DE QUEIXA

Numa rua estreita, íngreme, de sentido único e com os passeios em socalcos, fazendo-me lembrar a rua Serpa Pinto, em Bragança, subindo para o Castelo, há um pequeno restaurante que dá pelo nome Osteria da Dré. A maioria dos restaurantes de Arona ficam na baixa da vila, mesmo ao lado do Lago Magiore. Apesar da chuva de verão, miudinha e teimosa, estavam completamente cheios, não só no tradicionalmente exíguo espaço interior como igualmente nas esplanadas devidamente protegidas por guarda-sóis e pérgolas.