Armando Fernandes

 

 

O dever de lembrar

A lembrança é figura de estilo quando não cumpre o dever de lembrar. Escrever no Mensageiro obriga-me a quando teço um artigo ou uma crónica nunca por nunca esquecer a sua génese matricial a obrigar-me a mesmo na abordagem de temas leves, até cómicos, a tê-la em conta, sem esquecer os vigamentos que lhe dão sentido e corpo. No entanto, o dever de lembrar é um dever eivado de presunção e, presunção e água benta cada qual toma a que quer refere o anexim.

A Árvore do Pão

No decurso de breves quanto intensas e ridentes palavras trocadas com o Dr. António Rodrigues disse-lhe que este ano o PÃO será o tema principal do Festival Nacional de Gastronomia, a realizar, tal como nas edições anteriores, em Santarém. A robustez e amplitude do tema deu ensejo ao Dr. Rodrigues a oferecer-me o livro A Árvore do Pão, cujo autor é o Bispo de Bragança, Dom José Manuel Cordeiro.
Agradeci a oferta. Posteriormente recebeu a devida atenção.

Manuel Ferreira

Eu não sei se os leitores já leram O Livro das Cidades, do notável escritor cubano Cabrera Infante, o qual pagou duramente ter enfrentado e criticado acidulamente o ditador Fidel Castro. Aquele que gosta de pensar a cidade ganha lendo a estrídula obra do autor de Três Tristes Tigres. Nas minhas vindas a Bragança gosto de perguntar coisas e loisas sobre a amada cidade, sempre, embora nutra afeição e estima por Santarém, Barcelona e Boston. Porém, Bragança é Bragança, sempre.

A filoxera ataca o espírito

Todos sabemos quão perniciosos foram e continuam a ser os efeitos da filoxera nos vinhedos. Vinda dos Estados Unidos propagou-se a todos os continentes causando tremendos prejuízos, levando até à erradicação de vinhas originando miséria, ruínas, emigração e tremendos relatos sobre os seus efeitos aos quais não escapou o Nordeste. Verifique-se a corografia e logo percebemos a amplitude da catástrofe.

Esta pouca cinza fria…

O notável poeta modernista Manuel Bandeira terminou o poema epígrafe do seu livro A Cinza das Horas, escrevendo as palavras a titularem esta crónica. O poeta tem a avarenta sorte de apenas ser lido por muito poucos, mesmo no Brasil, consola-me a certeza de a sua poesia alegrar todos quantos tecem pensamentos relativos à finitude dos dias, a seguir à folia entrudeira por bem duradoura que seja, chega a hora de passarmos à condição de cinza fria.

Falou o Álvaro

O falante é o Senhor Doutor Álvaro dos Santos Pereira, académico da Universidade de Vancouver (cidade entusiasmante), agora director na OCDE, antigo ministro da Economia, o qual ao assumir a pasta ficou conhecido por ter espantado o motorista ao pedir-lhe para simplesmente ser tratado por Álvaro. O pedido dele entrou na categoria de chiste, só os miméticos e desconhecedores dos Padrões de Cultura * em uso na Lusitânia tentaram implantar risonha norma.

Uniformidade e Singularidades

As Feiras cujo elemento principal é o fumeiro animam a província transmontana. A seguir surgem outras dedicadas ao azeite, ao folar, aos cordeiros, aos cabritos, às vitelas com e sem posta, às cerejas, às melancias, às abóboras, às nozes e por aí adiante. É uma fartura e outras virão.

O funeral

Se eu, autor de crónicas sentidas, manejasse a arte da escrita tão bem quanto Fialho de Almeida, atrevia-me a tentar escrever o relato do funeral de Mário Soares, ao modo do seu opulento, tremendo, fascinante texto do fundibulário relativo ao enterro do rei Dom Luís.

Adeus Ano Velho

Sai de cena deixando poucas saudades a todos quantos pesam as inquietações referentes ao ano novo acabado de chegar. Os momentos de alegria ocorridos durante os doze meses da sua ossatura contam-se pelos dedos de uma mão (como faziam os meninos na época das ardósias) sobrando dedos pois prevaleceu o desajuste entre o merecido e o conseguido.

NATAL

Seria rematada tolice aflorar, mesmo ao de leve, as representações de Natal encerradas na mala escolar da minha memória. Todos quantos fazem o favor de ler os escritos da minha lavra já repararam na secura de algumas colheitas memorialísticas consequência da cesura do tempo, embora procure compensar a prevalência do joio recorrendo a palavras bem-humoradas.