Igreja // Diocese

Celebrar e viver o Natal, como Maria

D. José Cordeiro em Sex, 23/12/2016 - 17:21

Estimados Irmãos e Irmãs
No contexto do Ano Litúrgico-pastoral proponho que celebremos e vivamos bem o Natal, como a Virgem Santa Maria.
Na verdade, «há um estilo mariano na atividade evangelizadora da Igreja. Porque sempre que olhamos para Maria voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do afeto. Nela vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos mas dos fortes, que não precisam de maltratar os outros para se sentir importantes», recorda-nos o Papa Francisco (EG 288).
Por isso, apontamos a alegria de comunicar o Evangelho como Maria, envolvendo-nos fielmente no caminho de Jesus Cristo ao serviço de todas as pessoas.
A sua intervenção afirma-se na centralidade de Jesus: «fazei o que Ele vos disser» (Jo2, 5).
O tempo do Natal constitui, pois, uma prolongada memória da maternidade divina. Ela olha para nós e sobretudo olha por nós. Às vezes nós olhamos só para os outros e esquecemo-nos de olhar pelos outros. Como a Mãe da Ternura, sejamos fiéis alegres testemunhas do Amor e da vida uns pelos outros!
A todas as famílias, especialmente a cada criança, jovem, idoso, doente, pessoa com deficiência, preso, migrante, refugiado: um Santo Natal, como Maria!
Desejo, em todo o coração, a todos e a cada um, montes de paz e de luz!

    + José Manuel Cordeiro
    Peregrino convosco e Bispo para vós
 
Festejar i bibir l Natal, cumo Marie
Stimados Armanos i Armanas
Por oucasion de l Anho Lhitúrgico-pastoral propongo que festejemos i bíbamos bien l Natal, cumo la Birge Santa Marie.
Na berdade, «hai un stilo mariano n’actibidade eibangelizadora de l’Eigreija. Porque siempre que miramos para Marie tornamos a acreditar na fuorça rebolucionária de la ternura i l de l afecto. Neilha bemos que l’houmildade i la ternura nun son birtudes de ls fracos mas de ls fuortes, que nun precísan de maltratar ls outros para se sentir amportantes», lhémbra-mos l Papa Francisco (EG 288).
Por isso, apuntamos l’alegrie d’eibangelizar cumo Marie, ambulbéndo-mos fielmente ne l camino de Jasus Cristo al serbício de todas las pessonas.
La sue anterbençon firma-se na centralidade de Jasus: «fazei l que El bos dezir» (Jo2, 5).
L tiempo do Natal representa, assi, ua cuntinada memória de la maternidade debina. Eilha mira para nós i subretodo mira por nós. A las vezes nós miramos solo pa ls outros i çquecemo-mos de mirar puls outros. Cumo la Mai de la Ternura, séiamos fieles alegres teçtemunhas de l Amor i de la bida uns puls outros!
A todas las famílias, specialmente a cada nino, moço, idoso, doliente, pessona tolheita, preso, migrante, refugiado: un Santo Natal, cumo Marie!
Deseio, an todo l coraçon, a todos i a cada un, montes de paç i de lhuç!
 
            + José Manuel Cordeiro
            Pelegrino cun bós i Bispo para bós
 

 

Tags: