Igreja // Diocese de Bragança-Miranda

Papa Francisco abre caminho à beatificação do primeiro diretor do Mensageiro de Bragança

AGR em Sáb, 14/04/2018 - 14:43

O Papa abriu este sábado o caminho à beatificação do Cón. Manuel Nunes Formigão, primeiro diretor do Mensageiro de Bragança e considerado o Apóstolo de Fátima, por ser figura central na investigação e divulgação das Aparições na Cova da Iria.
Francisco aprovou a publicação do decreto que reconhece as “virtudes heróicas” do cónego Formião, após uma audiência concedida ao prefeito da Congregação para as Causas dos Santos (Santa Sé), cardeal Ângelo Amato, noticia a Agência Ecclesia.
Este é um passo central no processo que leva à proclamação de um fiel católico como beato, penúltima etapa para a declaração da santidade; para a beatificação, exige-se o reconhecimento de um milagre atribuído à intercessão do agora venerável Manuel Formigão.
Manuel Nunes Formigão nasceu em Tomar, a 1 de janeiro de 1883 e aos 12 anos entrou no Seminário Patriarcal em Santarém, onde realizou os estudos eclesiásticos.
O sacerdote faleceu em Fátima, a 30 de janeiro de 1958, e no ano 2000 a Conferência Episcopal Portuguesa concedeu a anuência para a introdução da causa de Beatificação e Canonização do Apóstolo de Fátima.
Passou pela diocese de Bragança-Miranda entre 1934 e 1943, onde, entre outras coisas, foi o primeiro diretor do Mensageiro de Bragança, o jornal diocesano.
Em 2017, a Fundação Mensageiro de Bragança promoveu, juntamente com a Santa Casa da Misericórdia de Bragança, a Casa de Trabalho Dr. Oliveira Salazar, o Seminário de S. José e as Irmãs do Sagrado Coração de Jesus, de Bragança, uma homenagem ao Cón. Formigão, com o acolhimento de uma Cantata interpretada pelo Conservatório de Ourém, uma exposição na Santa Casa da Misericórdia e uma conferência sobre a figura do “Apóstolo de Fátima”.
“Aqueles que o conheceram de perto dizem mesmo isso, que é um Santo. É uma justa e necessária homenagem que Bragança fez àquele que tanto contribuiu para aquilo que nós somos hoje. Durante nove anos teve uma ação decisiva como fundador e primeiro diretor do Mensageiro de Bragança, como reitor do Seminário Maior, como membro e secretário-geral da Cúria diocesana, como capelão da Santa Casa da Misericórdia, como fundador dos dois patronatos, o de Santo António e o de N. Sra. de Fátima, como assistente espiritual e confessor das Irmãs do Sagrado Coração de Jesus, como secretário particular do bispo D. Luís António de Almeida, depois assessorando D. Abílio Augusto Vaz das Neves. Portanto, a sua presença é muito viva ainda hoje e em feliz hora foi possível esta homenagem”, recordou, na altura, D. José Cordeiro.