Nordeste Transmontano

“Se for preciso recorrer ao exército para manter a ordem, porque não?”, admite Francisco Guimarães

Publicado por Francisco Pinto em Qui, 2020-04-02 09:44

Em entrevista ao Mensageiro de Bragança, o responsável distrital pela proteção civil municipal, Francisco Guimarães, admite o recurso ao Exército na região.
Mensageiro de Bragança: Que primeiro balanço faz destas ações de sensibilização que estão a decorrer por todo o distrito de Bragança?
Francisco Guimarães:
O balanço até agora pode dizer-se que é positivo. As populações têm aceitadomuito bem todas as recomendações que lhe têm sido dadas, permanecendo em casa, sendo por isso um exemplo de cidadania, num estado de emergência como este que o país está a atravessar.

MDB.: Quais são os principais motivos de preocupação, face à evolução da pandemia?
FG.:
A classificação do vírus por parte da Organização Mundial de Saúde, como uma pandemia, face à evolução da epidemia SARS-CoV-2, agente causador da doença COVID-19, veio, acima de tudo, criar uma grande preocupação, face ao alastrar da mesma na Europa e no País vizinho (Espanha).
O facto da nossa região, onde os fatores de densidade populacional, do índice de envelhecimento e do isolamento social, impõem uma preocupação acrescida, forte e determinante no sentido de serem evitadas cadeias de contágio e uma eventual mortalidade dos grupos de risco  
 
MDB.: Que medidas concretas estão no terreno?
FG.:
As medidas que foram regulamentadas após a tomada de decisão de decretar o estado de emergência por Sua Excelência o Presidente da República.

MDB.: Muito se tem falado na entrada de emigrantes que estão em diversos países europeus. O que isto trás de novo à realidade do distrito?
FG.:
Uma preocupação acrescida com a entrada de cidadãos provenientes do estrangeiro, independentemente da sua nacionalidade e do País da origem, já que os casos de contagio a nível do distrito de Bragança tiveram origem em cidadãos vindo do estrageiro. Quero pois com isto dizer que a nossa preocupação fazia sentido quando se fez o apelo para o fecho imediato das fronteiras, a existência de um controlo sanitário nas mesmas e a obrigatoriedade de isolamento profilático por quarentena, dos mesmos cidadãos.

MDB.: Será mesmo necessário colocar o exército nas ruas e nas fronteiras, não haver novas situações de novos casos nas próximas semanas?

 

(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impresa)