José Mário Leite

A Última Academia 1- O Início

Recebi, de uma prestigiada agremiação literária, um convite para escrever sobre a liberdade, por ocasião da celebração dos 50 anos do 25 de abril de 1974, reportando-me àquela data. Lembrei-me, de imediato, da Academia, a que pertenci, no seu último mandato, e que tendo sido eleita no final do ano letivo em 1972/73, teve a sua génese vários meses antes.


Antes que anoiteça

Finalmente!
Quando passam cento e quarenta anos sobre o anúncio “urbi et orbi” de José Leite de Vasconcelos revelando a existência da Lhéngua Mirandesa, foi criado, no âmbito do Orçamento de Estado para 2023, com dotação anual de 100.000 euros, o Instituto de Promoção da Língua Mirandesa, dez anos depois de ter sido reclamado por Amadeu Ferreira, na TVI, em entrevista conduzida por Victor Bandarra.
Justo e urgente.


Uma Cadeira Vazia!

No passado dia 25 deste mês de outubro, no auditório da Sociedade Portuguesa de Autores foram apresentados publicamente os vencedores dos prémios PEN relativos às obras publicadas no ano de 2021. Junto à mesa de presidência da cerimónia estava, como habitualmente, uma cadeira vazia, simbologia que o PEN instituiu e mantém para homenagear os escritores que, por esse mundo fora, são vítimas de discriminação, coacção, repressão e outros abusos intoleráveis que lhes são infligidos pelo facto singelo e humano de, sendo escritores, escreverem de forma livre e responsável.


Vinte e dois mil milhões

Segundo o Tribunal de contas, o dinheiro público injetado na banca e que não será recuperado ascende a vinte e dois mil milhões de euros, desde 2008. É uma brutalidade! Cada português contribuiu, em média, com 2.200 euros para aquela “salvífica” missão. Sendo a população ativa da ordem dos cinco milhões e havendo muitos que não pagam impostos a “taxa” paga pelos contribuintes é, em verdade, próxima de 5.000 euros, individuais.


O erro

Recentemente, em cerimónia pública, na Gulbenkian, António Coutinho, dirigindo-se a galardoados africanos das novas Bolsas de Investigação, incentivava-os a prosseguirem os seus estudos e trabalhos sem receio de assumirem os seus erros, pois esse é o caminho certo de procura da verdade, fim último da atividade científica.


Capa de Honras

A Capa de Honras Mirandesa, provavelmente, a versão profana da eclesiástica Capa de Asperges, tendo começado por ser uma peça de vestuário para proteção da chuva e do frio, é, atualmente, usada, quase exclusivamente, em ocasiões especiais, festividades e datas comemorativas, como elemento identificativo de pertença às Terras de Miranda.
O mirandês enverga, hoje, a rica e vistosa indumentária dos seus antepassados, com muita proa e orgulho.


METAVERSO

Recentemente a minha filha mais nova comentava comigo a dificuldade em explicar à minha neta mais velha o conceito e utilidade dos Clubes de Vídeo que proliferaram desde meados dos anos 80 e se extinguiram, completamente, na primeira década deste século. Precisamente na altura em que, num anúncio de televisão, o Ricardo Araújo Pereira anunciava o que parecia ser mera ficção e que se banalizou em pouco tempo: a possibilidade de “parar” uma emissão televisiva, quando quisesse e retomá-la, pouco tempo depois, a partir desse momento.


Assinaturas MDB