Adriano Moreira

A Missa sobre o mundo

Há semanas que, na Academia das Ciências se realizou uma sessão que teve por tema “Teilhard de Chardin e a conjuntura mundial”. É de recordar que a longa vida de Chardin, não como antropólogo, mas como sacerdote cujos pensamentos tiveram sempre presente a lembrança do conselho da sua mãe no sentido de que as coisas não se perdem, mudam, transformam-se. Deixou escrito: “é à minha mãe que devo visão otimista que apoiou a minha carreira de investigador”.


A crise climática e a estratégia

Embora as previsões cientificas sobre a crise climática, as crescentes ameaças à biodiversidade que aceleram, crescendo a literatura que encontra dificuldades para fortalecer a lealdade ao Acordo de Paris, ganha importância e inspira perspetivas sérias, a probabilidade destes fatores de sustentabilidade e degradação levarem a conflitos graves, incluindo militares. As tentativas das emigrações de desesperados que, juntando naturais da Guatemala, de Salvador e das Honduras, tentaram entrar no território dos EUA, que reagiram sem piedade no outono de 2018, levaram H.


O Desafio à Ordem

Uma das exigências, nem sempre respeitada no sentido de conseguir definir uma governança que discipline, a partir de um conceito de “justiça natural”, a globalização das interdependências, sofreu, neste ano que fora anunciado feliz, um desafio extremamente preocupante. A causa foi o assassinato do General Soleimini, na sexta feira 3 de janeiro do novo ano, por ordem do Presidente Trump, no território do Iraque.


Conselho Global para a Tolerância e Paz

Veio a Portugal o fundador do Conselho Global para a Tolerância e Paz, o seu Presidente S. E. Ahmed Bin Mohammed Al Jarwan, com uma experiência valiosa pelos cargos de relevância internacional desempenhados, apoiados na formação académica longa e respeitada, e na importância dos cargos exercidos, designadamente a Presidência do Parlamento Árabe, a pertença ao Conselho Federal Nacional dos Emirados Árabes Unidos.


Prioridade para a Lusofonia

É desafiante a identificação dos elos a cuidar para que o globalismo a que se chegou seja acompanhado do fortalecimento da articulação das comunidades múltiplas em que se dividiu a humanidade, designadamente pela especificidade do trajeto histórico de cada uma, pelas crenças religiosa, pelas etnias, sobretudo porque o separatismo se revela inquietante, como lucidamente concluiu Jacques Barzun (Da Alvorada à Decadência, Lisboa, 2003).


A AMNISTIA PELO SILÊNCIO

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos foi uma inovação que, pela primeira vez, deu aos cidadãos dos Estados aderentes o direito de recorrer para uma instância transnacional, mesmo contra decisões do seu Estado de pertença. Era um evidente condicionamento da soberania como é classicamente entendida, mas filiava-se na “justiça natural” que tem inspirado as Declarações de Direitos Humanos, como a da ONU, e antes da americana e da francesa.


A utopia Europeia

(continuação)
A alteração evidente da definição dos partidos políticos, hoje sem coincidência com o pluralismo dos fundadores, implica uma revisão do “conceito estratégico” da União, que garanta a autenticidade de participação nos valores comuns: o europeísmo não pode ser uma palavra sem um núcleo de significado participado.


A nossa época

Dividir a história por épocas é uma metodologia comum, procurando uma referência que as identifique. Mas em relação à que vivemos, a simplicidade não consegue eliminar a perplexidade derivada da multiplicidade de sinais. Talvez possa encontrar-se um denominador comum, assumido ou silenciado, que é o da “decadência do Ocidente”, mas é uma expressão que parece sobretudo limitar-se a anunciar a marcha para um ponto final de uma parte, e não do todo.


Repensar a Europa

(Continuação)
Quando da queda do Muro que por cerca de meio século separara a Europa em duas, a alegria de uma Europa democrática foi geral, e as portas abertas para a unidade não deixaram ver dificuldades na mistura de meio século de Meia Europa democrática, com uma meia Europa de sovietismo, não sendo de supor que o governo marxista tenha sido de muitas e aprovadas leituras gratificantes do Manifesto de Ventotene.