Armando Fernandes

 

 

A campanha não alegre

O Senhor Eça escreveu virulentos acerca da vida política portuguesa e por isso mesmo a salientar a piroseira social repleta de tiques, ademanes e espertezas ridículas contaminantes das instituições no geral, dos homens e mulheres do grupo social de maior relevo em particular.


A Misericórdia

A mais remota e esbatida imagem que retenho da Misericórdia, leia-se Santa Casa da Misericórdia de Bragança é a de na minha meninice ser trado no sal Hospital a uma queimadura contraída no braço direito por causa de um acto voluntarista de gula. Posteriormente, já na adolescência voltei a transpor o portão de entrada de pilares encimados por globos a irradiarem luz trémula, balbuciante, envergonhada, nas noites invernais, nesse tempo quem me deu injecções foram freiras simpáticas de sorriso largo, de vozes acetinadas, de sílabas abertas de forma a serem entendidas à primeira.


Os mil olhos do fisco

No grupo dos animais lendários avulta um dotado de enorme poder de destruição de tudo quanto o seu olho caleidoscópio fixa em seu redor. Eu não sei se Orwell ganhou inspiração para os seus livros acerca do Grande Irmão que tudo vê, ouve e regista ou dos porcos triunfantes, mas sei que os escritos do brigadista na guerra civil de Espanha considerados na altura da sua publicação desajustados à realidade futura, alarmistas e ressabiados de um homem zangado com ele próprio por ter acreditado na utopia comunista.


A bola e a gramática

Segundo o noticiário futebolístico foi aprovada e apresentada uma nova bola destinada às competições da I Liga a qual é colorida e brilhante de modo a refulgir aos olhos dos jogadores e espectadores. Aplaudo a invenção da bola eivada de cromatismo na justa medida de os pontapés na gramática multiplicam-se mesmo no referente a presumidos autores de livros, ainda há dias ouvi um escrevinhador ufanar-se de escrever conforme fala não sendo preciso grandes cuidados no acto da escrita. Disse estas e outras barbaridades no decurso da apresentação de obra alheia. Se o Sr.


O urso e os camursos

Na História da Sociedade Portuguesa no Séc. XV, o historiador Costa Lobo escalpeliza os modos de vida dos cortesãos, dos burgueses e dos patas ao léu estabelecendo as gritantes diferenças e algumas consonâncias das três classes: alto clero e nobreza. Burguesia a emergir e o povo explorado, pobretana e pedinte.


Para lá das eleições, eleições!

No próximo dia 26 vamos escolher os deputados nossos representantes no Parlamento Europeu. É um cargo muito disputado pois rende pingues proventos e mordomias ao modo dos marajás, por isso mesmo, abundam os golpes pela calada e às caras para pertencer à lista em lugar elegível. Além dos deputados formiguinhas, nas listas entram candidatos em fim de carreira política no país de origem ou então os sempre discordantes rodeados de acólitos.