José Mário Leite

ANAM

No dia 25 de março de 2017 reuniram-se em Lisboa nas instalações da Assembleia Municipal, algumas dezenas de Presidentes de Assembleia, vindos da variadas localidades desde o norte ao sul, passando pela ilha da Madeira. Era o culminar de um trabalho iniciado já há muito tempo em Mirandela pelo José Manuel Pavão que teve, desde sempre, o apoio e colaboração especial e especializada do Professor Cândido de Oliveira da Universidade do Minho. Foram todos testemunhas privilegiadas da formalização e institucionalização da ANAM – Associação Nacional de Assembleias Municipais.


O CAMELO E A AGULHA (IV – CONCLUSÃO)

Expliquei aqui, em edições anteriores, que os bancos permitem o aumento da liquidez disponível no mercado, antecipando proveitos futuros e, com isso, fomentando a atividade económica, aumentando o rendimento disponível, permitindo o crescimento do emprego e do bem estar. É certo que a Banca e os banqueiros têm, com alguma intensidade e gravidade adicionais nos últimos tempos, cometido abusos e desvios graves ao princípio basilar e orientador da sua atividade. Em alguns casos têm sido os cidadãos a pagar, injustamente, os prejuízos desses desmandos.


O CAMELO E A AGULHA (III – DA CONFIANÇA)

Em duas crónicas anteriores contei uma história simples e verossímil: o empreiteiro António depositou um milhão de euros no banco do Aníbal. O Abel levantou esse dinheiro através de um empréstimo e entregou-o ao António para este lhe construir uma fábrica e voltou de novo ao banco. Foi emprestado depois ao Asdrúbal para comprar uma quinta. O antigo dono da Quinta depositou-o no mesmo banco. Com um único milhão em caixa o banco tem registado em contas três milhões.


O CAMELO E A AGULHA (II – A MULTIPLICAÇÃO NATURAL)

Terminei o meu texto anterior contando a história do António que depositou um milhão de euros no banco do Aníbal. O negócio dos bancos, como é sabido, é emprestar, com juros, o dinheiro dos depositantes. Foi assim que o Abel recebeu do banco o milhão que o António ali tinha depositado como empréstimo para fazer a sua fábrica. Quem lha construiu foi o António que era empreiteiro e recebeu esse mesmo milhão que depositou na sua conta. Ficou assim com dois milhões na sua conta corrente, pese embora no banco só haja um milhão de euros!


OS PARAFUSOS DE D. QUIXOTE

Em Belém do Pará, celebrandro a cultura lusitana em parceria com a Academia Paraense de Letras, Fernando Calado, romanticamente, discorria sobre a suposta passagem de Cervantes por Bragança. Ideia agradável que me aconchegava o ego nordestino. O espírito científico de João Cabrita veio deitar água no fogo duvidando da tese carreada pelo poeta de Milhão. Faltariam provas evidentes a comprová-la, sobrando indícios a contrariá-la. Reconhecendo a validade do argumentário do João, a história contada pelo Fernando é, sem dúvida, a minha preferida.