COVID-19

Redução no transporte de doentes deixa corporações de bombeiros em sufoco financeiro

Publicado por Glória Lopes em Qui, 2020-04-09 10:09

A perda de receitas com a diminuição do transporte não urgente de doentes pode deixar as corporações de bombeiros do distrito de Bragança com sérios problemas de tesouraria. Os problemas são admitidos pelo presidente da Federação de Bombeiros do Distrito de Bragança, Diamantino Lopes, que admitiu ao Mensageiro que a desmarcação das consultas programadas "acarreta uma diminuição dos serviços dos transportes de doentes", o responsável arrisca números a rondar os 70 a 80% ainda sem o levantamento feito. A sobrevivência das associações humanitárias mais frágeis pode estar em causa no entender do presidente da federação distrital. "As associações tínhamos uma saúde financeira razoável, não era folgada mas vivíamos e com esta redução vamos ter dificuldade em manter", admitiu.
O decréscimo no número de transportes de doentes "é muito significativo o que reduz as receitas da associações humanitárias", apesar de as corporações manterem afetos aos serviço os mesmos motoristas "o trabalho está limitado às urgências e à Hemodiálise que, entretanto, definiu novas regras no sentido de serem transportados menos doentes em cada viagem. "Um ou dois no máximo", realçou o dirigente associativo