Bragança

Prisão preventiva para os cinco suspeitos de envolvimento na morte de Giovani

Publicado por Glória Lopes em Sáb, 2020-01-18 01:02

Terminou já depois das 23h00 o primeiro interrogatório judicial aos cinco suspeitos da morte de Giovani Rodrigues, o aluno cabo-verdiano que estudava no Instituto Politécnico de Bragança e que morreu no dia 31 de dezembro no Hospital de Santo António, no Porto, onde estava internado há 10 dias, em estado de morte cerebral, provocada por um traumatismo na cabeça resultado de uma agressão numa rixa que envolveu várias pessoas. A leitura do despacho de acusação foi lido aos jornalistas no exterior do Tribunal de Bragança, após um interrogatório de mais de seis horas aos suspeitos.
Os cinco homens são todos de Bragança e saíram do tribunal acusados de três crimes de homicídios, dois na forma tentada e um consumado. Os arguidos, com idades entre os 22 e os 35 anos, vão aguardar julgamento em prisão preventiva. O juiz que realizou o primeiro interrogatório judicial considerou que há fortes indícios da prática, por cada um dos arguidos, em coautoria, dos vários crimes atrás referidos. O tribunal esclareceu ainda que não foi apurado "qualquer indício no sentido de os factos praticados pelos arguidos terem sido determinados por ódio racial ou gerado pela cor, origem étnica ou nacional das vítimas. "A especial censurabilidade, que nesta fase indiciária, justifica a qualificação dos crimes assenta na circunstância de os arguidos terem sido determinados nas suas opções por motivo fútil e, ainda por actuarem em grupo", refere o despacho de acusação.
Os suspeitos chegaram ao Tribunal de Bragança depois das 15h00 e abandonaram há poucos instantes estas instalações acompanhados de inspectores da Polícia Judiciária de Vila Real. A PSP montou um forte dispositivo policial no exterior do tribunal, onde se concentraram várias pessoas entre familiares dos suspeitos e mirones.