A opinião de ...

La donna é mobile

O Dr. Hernâni Dias no âmbito das suas responsabilidades políticas e sociais criticou o Secretário de Estado da Mobilidade porque este num alarde de prosápia ingente a quem não tomou chá em pequeno entendeu dar a conhecer a sua má educação e resolveu não comparecer as duas reuniões previamente marcadas por quem detém competência para o efeito a fim de ser planeada e discutida a estratégia a empregar no distrito contra a pandemia do vírus C-19.
O Autarca bragançano mal conseguirá suster a agonia que o atormenta em face dos perigos pendentes qual espada de Dâmocles, sobre o pescoço dos seus concidadãos, forasteiros e dele próprio levando em linha de conta o envelhecimento da população, o isolamento vivencial de mulheres e homens nas aldeias rurais mais distantes e de menores recursos no concelho, para lá dos receios de todos ante a malignidade do execrando vírus.

O Dr. Hernâni Dias se conhecer o libreto da ópera Rigoletto sabe que a «Dona è móbile», move-se como uma pluma empurrada pelo vento, ao sabor do capricho. Pois bem o secretário de Estado imbuído de empáfia atrevida esquecendo a sabedoria incrustada em quatro palavras latinas: sic transit gloria mundi .
O Sr. Eduardo Pinheiro é mobile, por isso mesmo daqui a meia dúzia de dias fica arredado da função de adjunto ou auxiliar do ministro, voltará à cova profunda do anonimato, porém o prejuízo causado às populações ficará para todo o sempre pois com o povo votante ou abstencionista não se brinca.
Todos ouvimos governantes a soprarem palavras prenhas de promessas e lugar ao sol para o interior, mas na prática as referidas palavras não passam de bazófias imitando o rio Mondego antes da inclusão de uma banda gástrica a regularizar o seu curso de modo a os futricas não lamentarem o seu desregulamento, ora minguado, ora a galgar as margens estilo viandante esfomeado após almoçar opiparamente à borla por ser dia de festa na aldeia. Não, não estou a falar de Jacques Tati, não embaraço o governante, embaraço é ele para os autarcas transmontanos. O Professor Adriano Moreira costuma alegrar uma refeição destinada a enaltecer um produto até há poucos anos pouco conhecido e considerado, refiro-me ao botelo ou butelo. Pois no momento das alocuções o emérito Professor alude à tristeza dos não transmontanos por não o serem, essa pecha é avinagrada a torto e a direito resultando daí negatividades para os habitantes no reino maravilhoso.
Ciclicamente têm lugar eleições, ciclicamente a maioria dos nordestinos não concedem a maioria eleitoral aos socialistas, estes não escondem o seu ressabiamento, se assim é e é, faz todo o sentido aumentar o ressaibo, podendo acontecer no próximo ano nas eleições autárquicas. O deputado Jorge Gomes que muito prezo entende perfeitamente a amplitude da frase: para ….e meio!
Algumas pessoas sabem quão acérrimo sou contra a regionalização, só que não me é lícito ignorar as maldades dos governos a concederem razões aos seus defensores sem embargo de na minha perspectiva os governos centrais compreenderem melhor os anseios dos transmontanos que um qualquer era que o secretário de Estado é adepto da regionalização? Se o ajudante do Ministro tivesse visto o filme A estratégia da aranha, ou lido o livro inspirador do famoso filme realizado por Bertolucci percebia a ironia da minha afirmação, eu não gastarei energias a fazê-lo.
Ao Dr. Hernâni Dias alvitro boa voz e boa caneta, instrumentos basilares a fim de prosseguir na defesa do nosso terrunho. Custe o que custar!

Edição
3779