Nordeste Transmontano

Proteção Civil Distrital pede meios aéreos para sul do distrito

Publicado por Francisco Pinto em Sex, 2020-05-15 17:59

O presidente da Comissão Distrital de Bragança da Proteção Civil criticou os critérios de distribuição dos meios aéreos de combate a incêndios florestais para o verão de 2020, considerando que deixam a parte sul deste território "desprotegida".
"Continuamos sem meios aéreos estacionados no sul do distrito de Bragança, onde há condições físicas e estruturais para receber aeronaves de combate aos incêndios florestais. Estes meios operacionais todos os anos ficam localizados nos mesmos pontos", indicou Francisco Guimarães.
O autarca apontou como o exemplo o Aeródromo Municipal de Mogadouro, que tem "condições ideais" para servir de base de ação para aviões médios anfíbios de ataque a incêndios.
O também presidente da Câmara de Mogadouro salientou que por vezes é difícil fazer deslocar um meio aéreo de ataque inicial a incêndios florestais para concelhos tão periféricos como Miranda do Douro ou Freixo de Espada à Cinta.
"Partes destes concelhos estão fora do raio de ação deste tipo de aeronaves de combate aos incêndios florestais. Isto não pode acontecer. Já não é a primeira vez que é pedido ao Governo para não concentrar estes meio sempre nos mesmos sítios", vincou o responsável pelo pelouro da proteção civil na Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes.
Segundo o presidente da Comissão Distrital de Bragança da Proteção Civil os meios aéreos de combate a incêndios ficam sempre em Alfândega da Fé, Bragança, Mirandela, Macedo de Cavaleiros e Alfandega da Fé.