A opinião de ...

Depois da chuva, novamente o frio…

Depois de um arranque de semana marcado pelas baixas temperaturas, nevoeiro e sincelo que causaram alguns constrangimentos na região, o padrão meteorológico alterou-se a partir da última terça-feira, lentamente a instabilidade conseguiu romper o domínio anticiclónico e várias frentes atlânticas avançaram para a nossa região, a principal consequência desta alteração foi a introdução de nova dinâmica na atmosfera, com movimento nas camadas altas, rompendo de vez com a inversão térmica e pondo um ponto final neste episódio gélido e seco que durava há várias semanas.
Até ao momento, janeiro, apesar da chuva que caiu nos últimos dias e ainda caíra pelo menos até amanhã, está longe de atingir as médias para o período, pelo que é necessário que chova mais até ao final do mês para que pelo menos se atinjam os valores médios mensais de precipitação acumulada, no que toca às temperaturas e graças à inversão térmica, boa parte da nossa geografia tem registado temperaturas frias, tal como é natural para esta época do ano.
Segundo o IPMA, todo o nordeste transmontano saiu da situação de seca no passado mês de dezembro, estando agora no patamar de “chuva fraca”, o valor médio da quantidade de precipitação foi superior ao normal e correspondeu a cerca de 127 % do valor normal mensal, sendo o dezembro mais chuvoso que desde 2010. A recuperação dos índices de humidade dos solos foi muito significativa e toda a região tem de momento valores iguais à capacidade de campo.
Os valores de temperatura média e máxima do ar foram quase sempre superiores ao valor normal, o valor médio da temperatura média do ar em Portugal continental, 10.99 °C, foi superior ao valor normal em 1.02 °C sendo o 3º valor mais alto desde 2000.
Também nas barragens houve alterações nas últimas semanas, a quantidade de água armazenada teve um aumento significativo, segundo o Instituto Nacional de Informação dos Recursos Hídricos, citando dados a 10 de janeiro, a bacia hidrográfica do Douro apresentava uma percentagem de volume armazenado de 84.1%, quando a média para o período é de 68.9%, o Azibo em Macedo de Cavaleiro está a 95%, o Baixo Sabor a 93% e a Serra da Serrada a 100%.
Nos próximos dias, o cenário mais provável é de nova descida das temperaturas, possivelmente com novas geadas e nevoeiros matinais, as mínimas deverão rondar os 0ºC e as máximas entre os 7ºC e os 10ºC, as probabilidades de precipitação serão em geral baixas, a ocorrerem aguaceiros, poderão ser de neve nas terras altas.
Dada a distância temporal das previsões, aconselho que sigam diariamente as atualizações de toda a informação na página de Facebook e Twitter do Meteo Trás-os-Montes.

Edição
3764