Torre de Moncorvo

Município com projeto para construir “a maior ponte pedonal do mundo” sobre o rio Douro

Publicado por Francisco Pinto em Qui, 2020-10-22 12:21

O município Moncorvo pretende construir “a maior ponte pedonal do mundo” orçada em três milhões de euros, para ligar aquele concelho ao Museu do Côa (MC) e unir as duas margens do Douro.

“Para a execução deste projeto prevê-se um investimento de três milhões de euros, sendo que município de Torre de Moncorvo irá apresentar o projeto a várias entidades nacionais e regionais para que sejam parceiras neste investimento”, indicou em comunicado, aquela autarquia.

O município de Torre de Moncorvo deixou a garantia que dispõe de um projeto que pretende ligar as duas margens do Rio Douro entre o Museu do Côa, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, e o Alto da Barca, no Peredo dos Castelhanos, em Torre de Moncorvo, “através de uma ponte pedonal que será a maior ponte pedonal suspensa do mundo”.

O presidente da câmara de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, indicou que a génese deste projeto ao unir estas duas margens do Douro “entramos no coração de algo que é privilegiado, o Douro, o Côa, com uma ligação ao Parque Arqueológico do Vale Côa (PACV) ao Alto Douro Vinhateiro (ADV) ”.

O PACV e o ADV estão classificado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como Património Mundial da Humanidade.

“Sempre foi uma política do executivo pensar desta forma, o turismo que chega ao Porto tem que vir por esse rio, cá para cima, também vimos que o turista fica um dia em Torre de Moncorvo, a ideia é que ele consiga ficar pelo menos duas noites”, vincou o autarca.

Para o também presidente da Associação de Municípios do Douro Superior, “é preciso criar ofertas, não só através dos produtos endógenos, não só a gastronomia que é por demais conhecida, mas também de um turismo ativo.”

Esta ponte pedonal permitirá ainda ligador os distritos da Guarda e Bragança unindo as duas margens do Douro, junto à Foz do rio Côa e aldeia de Peredo dos Castelhanos, em Torre de Moncorvo.

Segundo aquele responsável, o projeto prevê ainda a construção de uma rede de passadiços e caminhos pedonais que interliguem os principais pontos de interesse, a pavimentação de caminhos públicos rodoviários de acesso à ponte pedonal e miradouros e a construção de uma nova ponte rodoviária sobre a ribeira do Arroio.

“Com todo este projeto que queremos apresentar publicamente e pretendemos fazer com que as entidades nacionais sejam parceiras neste investimento e demonstrar que temos todas as capacidades e tudo o que é necessário para um projeto de sucesso e, portanto, é mais uma resposta para aqueles que lançam o desafio aos territórios de baixa densidade”, vincou o autarca.

Nuno Gonçalves disse que há projetos de qualidade, de tão ou mais qualidade do que no litoral, “e que queremos aproveitar esse fundo de resiliência para dar a conhecer o território, fazer com que as pessoas estejam neste território”

Para o reapresente da empresa projetista, Armindo Rodrigues, não se deve falar mo âmbito do interesse local, do concelho de Moncorvo, mas de dois concelhos que são duas regiões distintas, a região de Bragança e a Região da Guarda

“Este projeto também impacto no panorama internacional, porque se Guarda e Bragança ficam unidas por mais um ponto, que não é um ponto qualquer, estamos a falar de uma ponte suspensa com o maior vão do mundo, na ordem dos 750 metros, que tem um impacto a nível turístico forte”, concluiu.