// Covid-19: A primeira entrevista do enfermeiro de Mirandela que esteve 99 dias em isolamento com a mulher grávida do seu primeiro fil

“Ver as semanas a passar, a barriga da minha mulher a crescer e não ter a possibilidade de sequer tocar e sentir o meu filho... Esse afastamento afetivo foi o mais complicado de gerir”

Publicado por Fernando Pires em Qui, 2020-07-16 09:03

Protagonizou o caso mais mediático do distrito de Bragança nesta pandemia do novo coronavírus.
O enfermeiro de 35 anos que exerce funções no hospital de Mirandela, da Unidade Local de Saúde do Nordeste, foi o segundo caso diagnosticado no distrito e precisou de mais de três meses para ser dado como clinicamente curado.
Teve os primeiros sintomas a 13 de março, foi internado, e dois dias depois chegou o resultado positivo para a Covid-19.
Seguiram-se 98 dias isolado na sua casa, e logo num dos momentos mais importantes da sua vida: a sua esposa carregava na barriga o primeiro filho do casal, com parto previsto para o mês de agosto.
Mais de uma dezena de testes positivos depois, dia 21 de junho, chegava finalmente a boa notícia: resultado negativo pela segunda vez consecutiva, condição exigida pelas autoridades de saúde para ser considerado como paciente recuperado.
“O mais importante nesta situação é a questão psicológica, porque se nos deixamos ir abaixo a esse nível, cada dia é um tormento”. É uma das declarações do enfermeiro de Mirandela que conta ao Mensageiro os dias difíceis que passou. Uma entrevista sem imagens, por opção do entrevistado, para proteção da privacidade.