Nordeste Transmontano

Covid-19: fim de semana sem casos e à espera dos resultados de segunda-feira

Publicado por FP/AGR em Dom, 2020-07-05 23:25

Foi um fim de semana sem registo de casos novos de infeção por covid-19 no distrito de Bragança, a que não fico alheio o facto de o IPB já não fazer testes ao fim-de-semana, pelo que as amostras de testes efetuados na sexta-feira só vão ser processadas na segunda-feira.

Para além disso, autoridade de saúde pública também estará a ter restrições para a realização de testes para a Covid-19, com a Direção-Geral de Saúde a impor como condição os pacientes apresentarem sintomas.

Sendo assim, os números estão inalteráveis desde a passada sexta-feira, dia em que se realizaram mais de 150 testes no Planalto Mirandês a pedido da ULS e cujos resultados serão conhecidos apenas na segunda-feira ao final do dia.

Desde o início da pandemia, a 14 de março, o distrito de Bragança já registou 306 casos do novo coronavírus, dos quais 238 pacientes já recuperaram (77,8%). A doença já provocou a morte a 24 pessoas (7,8%), sendo que o último óbito foi já a 23 de maio.

Restam 44 casos ativos da doença (14,4%) distribuídos por nove concelhos: Bragança tem 18. Miranda do Douro soma 10 casos ativos.

Os últimos dois registados foram de dois trabalhadores da construção civil, naturais de Palaçoulo, que trabalhavam numa obra de um casal do Porto (pai e filha) na aldeia da Póvoa (e não do homem de Lisboa que também está infetado, como erradamente escrevemos amteriormente) e frequentavam o estabelecimento de restauração que terá sido o foco de disseminação da doença naquele concelho.

O casal do Porto está infetado mas os casos estão a ser seguidos na cidade Invicta.

As autoridades de saúde acreditam que o próprio homem de Lisboa, que está na região desde o dia 02 de junho e que acabou por ter sido internado nos cuidados intensivos, já terá sido infetado nesse restaurante.

Torre de Moncorvo e Macedo de Cavaleiros têm ambos dois casos. Com um caso ativo, estão os concelhos de Mirandela, Vila Flor, Alfândega da Fé, Vimioso e Vinhais.

Há ainda outros sete casos de infeção que a autoridade de saúde pública considera como sendo casos importados. Seis da Região de Lisboa e Vale do Tejo e um de Aveiro.

Entretanto, depois da polémica dos últimos dias sobre a alegada desconformidade dos novos casos no país que não estarão a ser divulgados corretamente pela Direção-Geral de Saúde (DGS) nos seus relatórios diários, este domingo, a própria DGS refere que “este relatório não inclui a atualização da imputação de casos aos concelhos”. “A DGS está a realizar a verificação de todos os dados com as autoridades locais e regionais de saúde que ficará concluída durante os próximos dias”, pode ler-se.