FUTEBOL DISTRITAL

“Vamos respeitar a história do FC Vinhais”

Publicado por Guilherme Moutinho em Sáb, 2020-07-18 22:38

Nuno Fernandes, aos 38 anos, é o treinador do FC Vinhais para a temporada 2020/2021. O ex-jogador e capitão do Vinhais está motivado para a sua grande estreia ao comando técnico no Campeonato Distrital da AF Bragança. Dotado de um discurso assertivo, o novo timoneiro vinhaense, fala dos objetivos e das expetativas para a nova época que está a ser preparada ao pormenor.

 

MdB - Como jogador foi uma figura incontornável do Vinhais. Que recordações guarda desses momentos vividos dentro dos relvados?

NF - Não diria que tenha sido uma figura incontornável do FCV, fui apenas mais uma personagem no elenco numeroso de atletas que correram e suaram a camisola do FC Vinhais. Porventura, tive a sorte de estar presente enquanto atleta e capitão do clube numa das páginas mais importantes da sua história e isso talvez faça com que eu seja recordado como o capitão que levantou a primeira e única Taça Distrital do Palmarés do FCV. 

MdB – A decisão de pendurar as botas foi difícil?

NF - Acabou por acontecer esta época de forma abrupta e inesperada devido ao Covid, porém, depois da final da Taça Distrital em 2017/2018, independentemente de levantar ou não a Taça Distrital, a ideia era deixar de jogar. Do ponto de vista individual seria o momento ideal, a vitória na final teria sido mais um bom motivo para o fazer, mas na verdade ainda me sentia em condições de dar o meu contributo. Tendo em conta o contexto e estando apto fisicamente e mentalmente deixar de jogar seria uma decisão egoísta e egocêntrica. Assim, em 2018/2019, e perante as dificuldades económicas vividas no clube, senti-me na obrigação de jogar enquanto me sentisse útil. No fundo, foi a forma de gratidão que encontrei para reconhecer e agradecer os momentos que vivi enquanto atleta. Hoje, e definitivamente de botas penduradas não perco muito tempo a olhar para trás com saudades de jogar até porque me mantenho dentro deste desporto que tanto amo e tantas emoções me desperta, só mudei as botas pelo bloco e apito.

MdB – A sua experiência como treinador conta com passagens pelos escalões de formação. Como encaras esta nova etapa na tua carreira?

NF - Vejo-o como um processo natural. A minha aventura no futebol enquanto treinador começou na época 2007/2008 nos escalões de formação da Montes de Vinhais, desde então ao longo dos últimos 13 anos passei por várias experiências, do futebol masculino ao feminino, do futebol de 7 ao futebol de 11 passando pelo futebol de 9, do treino de clubes ao Gabinete Técnico das Seleções Distritais enquanto treinador. Foi definitivamente um percurso de inestimável riqueza, moldou-me e ensinou-me a valorizar o trabalho ao longo do trajeto, mas também me ensinou que o caminho é inevitavelmente em frente. Chegar a um escalão Sénior seria uma questão de tempo e oportunidade.  

MdB – O projeto delineado pelo Vinhais para esta temporada é ambicioso. O que podemos esperar em termos de resultados?

NF - O projeto é sempre a cara dos seus intervenientes, é tão ambicioso quanto o são os diretores do clube, a equipa técnica liderada por mim e os jogadores que farão parte do plantel. Somos todos ambiciosos, o FC Vinhais versão 2020/2021 deve sê-lo. Quanto aos resultados, como diria o ex-jogador e ex-capitão do FC Porto “Prognósticos só no fim do jogo”. Os resultados não são assim tão lineares, a época é longa e os adversários são cada vez mais competentes, por isso estou certo que as dificuldades serão muitas, mas se me perguntar se queremos vencer? Se queremos lutar pelo topo? Queremos sim, queremos muito, mas não podemos prometer mais do que muito e bom trabalho para garantir os três pontos no fim de cada um dos jogos que disputaremos do início ao fim da época desportiva.

MdB – Há alguns nomes confirmados para figurar no plantel. A aposta será num misto de experiência e juventude, este é o equilíbrio necessário para o sucesso?

NF - Mais do que experiência ou juventude acredito em qualidade, na verdade não olho muito à idade dos atletas, olho à qualidade dos mesmos, qualidade recente e margem de progressão. Uma coisa é certa a idade não vai ser garantia de jogar mais ou menos minutos. O equilíbrio que procuro é o da qualidade em todos os setores. De qualquer forma não nego que a experiência seja uma mais-valia em determinados momentos da época, estou certo que sim, mas e a irreverência da juventude não o é também? Procuramos qualidade e competência.

(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)