A opinião de ...

Quem em Junho não descansa, enche a bolsa e farta a pança

Já é verão, meteorologicamente falando, claro! Durará exatamente 3 meses, começou no passado dia 1 de Junho e terminará no próximo dia 31 de Agosto. Já o verão astronómico só começa a 21 de junho e marcará o pico máximo de duração dos dias, ou seja, o máximo anual de horas de sol no hemisfério norte.
Depois de dias tórridos no final da semana passada, houve uma mudança de “padrão” consistente em particular no norte do país e a nossa região não foi exceção. O mais notável foi a descida brusca das temperaturas, em alguns casos com quedas entre os 10/15ºC em relação ao registado na semana anterior, com sensação de frio em particular durante as madrugadas e primeiras horas da manhã, ao que se juntou alguma humidade e precipitação em geral fraca na última terça-feira, precipitação sem qualquer impacto nos solos mas que ajudou sem dúvida a refrescar e aportar algo de humidade ao ambiente.
Esta mudança que temos vindo a sentir nos últimos dias prende-se pelo facto de termos perdido influência anticiclónica e passarmos também a estar sob o efeito de depressões que se vão “passeando” a norte da Península Ibérica. Não são muito ativas, mas são o suficiente para enviarem ao noroeste peninsular algumas linhas de instabilidade vindas do oceano, ou seja, ar mais fresco e húmido que “varreu” de oeste para leste o ar quente que tivemos na semana passada. Não se devem esperar grandes acumulações de chuva, até porque nesta altura do ano, o normal é que chova pouco. Entre o que já choveu e o que ainda poderá cair nas próximas horas, o acumulado, e segundo o modelo europeu ECMWF, não deverá superar os 5mm no sul do distrito e os 13mm nas zonas montanhosas de Corôa / Montesinho.
Em relação ao índice de humidade nos solos, e segundo a informação disponibilizada pelo IPMA, a situação teve novo agravamento na última semana sendo Trás-os-Montes, e em especial nas CIM´s de Terras de Trás-os-Montes e Douro, as que registam um aumento significativo de área com níveis de humidade extremamente baixos, o que leva a crer num novo agravamento da seca meteorológica.
Nos próximos dias, as condições meteorológicas tendem a estabilizar e continuaremos em regime de ventos com percurso marítimo de componente oeste / noroeste que não deixarão subir demasiado as temperaturas. Os céus vão apresentar alguma nebulosidade que em principio não terão maiores consequências, as temperaturas começam a subir já amanhã e no fim-de-semana voltaremos a máximas bem agradáveis, com Bragança a chegar previsivelmente aos 23ºC, Mirandela aos 27/25ºC, Vinhais aos 21/22ºC, Carrazeda de Ansiães aos 22/24ºC, as mínimas que estão frias, também subirão nas próximas jornadas.
Poderão acompanhar diariamente as atualizações de toda a informação na página de Facebook e Twitter do Meteo Trás-os-Montes.

Edição
3733