A opinião de ...

Por uma cultura do encontro

Nestes tempos marcados pelo “distanciamento social”, medida largamente promovida e propagada pelas autoridades civis e de saúde, convém lembrar que a pessoa humana – ser social por natureza – nutre-se pela presença e pelas relações variadas de partilha e de encontro. Temo que esta expressão – “distanciamento social” – venha acentuar as demais assimetrias sociais.
Distanciar é muitas vezes sinónimo de afastamento e de indiferença perante o outro que por mim grita, que se aproxima de mim e, misericordiosamente, pede a minha atenção e o meu cuidado. A Congregação para o Clero na sua Instrução “A conversão pastoral da comunidade paroquial ao serviço da missão evangelizadora da Igreja” de 20 de Julho de 2020 lembra, no nº 25, que “a cultura do encontro é o contexto que promove o diálogo, a solidariedade e a abertura a todos, fazendo emergir a centralidade da pessoa humana”. Nesse sentido, impõe-se-nos que, em vez de “distanciamento social”, se faça aproximação relacional no respeito e nos cuidados higieno-sanitários exigidos e necessários.
Tem-se acentuado – e de que maneira (!) – as situações de marginalização, de abandono e de solidão neste nosso território. Urge, pois, que re-aprandamos, como sagazmente nos elucida a referida Instrução, “a desenvolver uma verdadeira e própria ‘arte da proximidade’” (nº 26) a fim de que a comunidade seja lugar de superação da solidão e um “santuário onde os sedentos vão beber para continuar a caminhar e centro de constante envio missionário” (EG, 28).
A pessoa humana será sempre o nosso maior tesouro. Sob a bandeira de uma ‘batalha contra um inimigo comum’ (expressão comumente lida no espaço público, mas que, a meu ver, exprime um sentido demasiado bélico e imprime na consciência colectiva o medo pelo outro e o terror de contagio pelo seu próximo, que aniquila a relação e os actos de comum partilha e doação), não estaremos a destruir os laços entitativos e fundantes entres os seres humanos e entre as suas estruturas de relação e de socialização?

Edição
3794