Bragança

Quotas de 100 euros para votar nas eleições para a Associação de Estudantes

Publicado por Glória Lopes em Sex, 2014-05-23 15:42

A decisão da Associação de Estudantes da Escola Superior de Educação de Bragança (ESEB) de que para votar e ser candidato às próximas eleições para este órgão os alunos têm de pagar 100 euros, o equivalente às quotas anuais, cujo preço aumentou esta semana, está a gerar uma onda de contestação na instituição de ensino. Tiago Fernandes, candidato à presidência daquela associação, pagou as quotas, mas teme que a sua lista não seja considerada “porque mais nenhum dos estudantes que a integra pagou, uma vez que não têm condições financeiras para o fazer”, explicou ao Mensageiro.
A situação pode não ser ilegal, uma vez que de acordo com os estatutos, aprovados em 1998, a associação pode aumentar o valor das quotas. “No mínimo é imoral. O aumento foi divulgado através do Facebook, na escola não há nenhum aviso”, garante o aluno.
No comunicado publicado na rede social avisavam-se os estudantes que “ser sócio da associação deveria ser um direito de todos os alunos, e não apenas um interesse com o fim de se candidatarem a algo. Em segundo lugar, no último ano letivo tudo foi decidido  em reunião da direção da nossa associação”. Dá-se também conta que o valor das quotas conforme o período em que é efetuado o pagamento e quem regularizar de 21 de abril a 12 de julho paga 100 euros. A mesma informação diz que só os membros de pleno direito se podem candidatar ou votar”, isto é, “os sócios com quotas em dia”.
O jovem está indignado com a situação e garante que é o primeiro ano em que isto sucede. “Esta é uma forma encapotada de impedir que apareçam outros candidatos, porque a vida está má e ninguém vai pagar este valor de quotas nesta altura do ano”, acrescentou.  
As eleições estão marcadas para o dia 29 de maio e, muito provavelmente, só terão  uma lista concorrente.
O presidente da Associação Académica do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Ricardo Pinto, referiu que na sua opinião a decisão de aumento das quotas devia ter sido feito numa Reunião Geral de Alunos.
(Artigo completo disponível para assinantes e em edição em papel)