Onde param os ‘pilhões’?

É mais difícil encontrar um ‘pilhão’ do que uma agulha no palheiro, pelo menos na cidade de Bragança. Os ditos, que há uns anos existiam nos ecopontos, desapareceram e agora não se sabe o que fazer com as pilhas usadas, porque estas continuam a existir tal como equipamento de que delas carece. Os que existem são em tão pouco número que quase sempre transbordam de pilhas, como o da foto, um dos poucos que resistem em Bragança.

Edição
3808