Armando Fernandes

 

 

Sem olhos em Mirandela

Há dias vi e ouvi as dificuldades porque passa um jovem invisual a viver na cidade das alheiras famosas porque o comboio na altura findava o percurso naquela localidade. Dos idos novecentistas dos primórdios até agora a vila transformou-se em burgo alargado na volumetria e exíguo para não dizer asfixiado no que tange a equipamentos, sinais e apoios a toda a casta de desvalorizados fisicamente em geral, a cegos tão cegos quanto Homero e Castilho em particular.


E agora, Rui Rio?

No vai vem da vida política agrada-me a probidade de todos quantos a elegem como estandarte a preservar contra ventos e marés de vários quilates e tentações. Ora, é a probidade que emana do currículo deste homem teimoso, dado a embirrações, de costas voltadas para salamaleques e punhos de renda e que ajudei a eleger como Presidente do PSD. Não é um homem vão, catavento a falar disto e daquilo, de tudo e de nada, tão jeito da sociedade de espectáculo (Debord) que povoa, enche, está a prevalecer no dia-a-dia político centrado em S. Bento, Belém e Gomes Teixeira.


Natividade

Nascimento do Menino é a Natividade para além de ser substantivo feminino. Nascente de nascer o Menino, tal como das fontes brota água ou seja vida. A esterilidade das fontes significa desolação, miséria, fome, morte.


A moça Greta

A moça Greta não leu nem vai ler a obra portuguesa Menina e Moça, se tivesse a ventura de a ler talvez intuísse o sofrimento da saudade pela harmonia do território, a paisagem bucólica, os rios limpos a correr em direcção ao mar rijo ou suave desprovido de lixo nele despejado por pacóvios de todas as nacionalidades, serras sem cicatrizes profundas derivadas de incêndios e devastações alimentadoras de vorazes indústrias de papel sedeadas no norte da Europa.


O 1º de Dezembro

A importância do 1º de Dezembro permanece hoje inquestionável para qualquer entendimento da nossa História, mormente quando a questão da independência da Catalunha está no auge e os fundamentalistas identitários encafuados num visceral ódio ao Homem branco a levá-los à não boa reflexão relativa ao entendimento da tomada de atitudes em função, da época e da visão estratégica do poder relativamente a povos desconhecidos ou vaga e medrosamente intuídos.


A Espanha aqui ao lado

Há um taleigo de anos, fui a Rio de Onor, levava a ânsia de ir ao estrangeiro, tinha catorze anos. Uma corrente presa a dois blocos de pedra, um de cada lado, delimitava a fronteira. Para o lado de cá um P, para o lado de lá um E, significavam as duas letra a delimitação dos dois países. Bebi uma laranjada muito doce, trouxe rebuçados. Nada mais, mas tinha ido a Espanha.


Ministros e Secretários de Estado

Antes do 25 de Abril os pícaros citadinos alfacinhas funcionários do Palácio Foz quando falavam de Trás-os-Montes diziam ser território exportador de ministros, criadas de servir e polícias – GF, GNR, PIDE e PSP – enunciando por um lado a qualidade intelectual e capacidade de decisão dos ministros, por outro a pobreza das gentes transmontanas que as obrigava a remeter as filhas e os filhos para Lisboa na procura de pão branco e sapatos para calçarem no dia da festa na aldeia caso viessem frui-la.


Rogério Rodrigues

Ainda não eram as duas da madruga quando o telemóvel tocou a anunciar a má nova. O Rogério morreu. O nosso comum amigo, o Alexandre Manuel, também veterano do jornalismo e professor no ISCTE audivelmente contristado deu-me pormenores acerca do passamento Rogério exímio repórter, jornalista íntegro até à medula, nosso companheiro de décadas, sempre atento, nas horas boas e, sobretudo nas horas más.